sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

sentimentos ruins

A depressao é uma forma egocêntrica e mesquinha que só nos deixa enxergar a nós mesmos. São tantos problemas reais que acontece por aí, e nós nos preocupando com um vazio, uma solidão e a sensação de fracasso que nos assombra.


É uma batalha interna que tem que ser vencida, nos dá a falsa impressão de não termos perna, mas temos, de não termos visão, mas temos. De não sermos mais fortes, mas somos. Porque então este pensamento egoísta? Como se o mundo fosse terrível, fraqueza de fazer tudo, impotência de tentar ?

É aí que paro pra pensar o quanto é pequena essa sensação, temos vida, somos saudáveis, não nos falta comida, temos de tudo que podemos ter e ainda a sensação nos impede de conseguir?

Tem gente que não tem nenhuma visão e mesmo assim luta, consegue andar, fazer, e até mesmo ler.

Tem gente que não tem pernas e vive sua vida com alegria, se movimenta como dá e vive normalmente, pq acredita que pode, tem força que é capaz.

São inúmeros exemplos de superações que vemos o tempo todo. Doenças que se curam.

Que fraqueza é essa? Se temos pernas ... vamos andar... se temos olhos vamos ver... se temos a fala... vamos falar...

Preciso realmente ver todos os conceitos sobre este problema que me assombra... não posso ser ingrata com minha vida desta forma, não posso me afastar de Deus, só por isso.

Não posso me dar o direito de sentir essas coisas pequenas, feias e terríveis da minha própria vida, simplesmente pq existe uma insatisfação existencial em mim... chamada depressão.

Acorda. Vergonha eu deveria ter de deixar isso me impedir de tentar, fazer e conseguir.

Chega de egocentrismo, chega de fracasso e de auto piedade que automaticamente dá espaço a esta maldita tomar conta de mim, e me fazer sentir uma coisa que eu não sou.

Posso estar fraca, cansada e abatida. Mas eu sou mais do que isso, tenho mais do que isso.

A depressão não vai me definir.

E seja como for, eu decido mudar.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

desabafos internos

O desejo de ser eu mesma me sufoca, a cada instante. Não sei mais quem eu sou, fica na lembrança o que eu gostaria de ser, todas as minhas forças estão se esgotando e só existe dentro de mim alguma coisa bem depressiva e auto destrutiva.


Cada dia que passa me perco mais um pouco de mim. A sensação de fracasso, não sei se me invade ou se me define. Sinto vontade de tantas coisas e no meio delas... vontade de ser eu mesmo.

É uma interna contradição, insatisfação do agora e busca insensata do amanha. O que faço dos meus dias? Não sei. Não tenho conseguido.

Será falta de tentar? Será falta de lutar? Será falta de querer?

Agora deixei o querer de lado, vivo o conformismo e as migalhas que me jogam.

Houve época que tentei, não sei se foi a idade, não sei se foram os acontecimentos ou a falta de vontade.

É difícil algo ser motivador, impossível algo ser alavancador e terrível o momento atual.

Amor me falta, a vontade me deixa exausta e sinceramente: que tudo se exploda.

Como pude deixar de acreditar? Quando foi que deixei de ousar? Não sei, estou perdida em mim mesmo, em um local onde nada tem graça.

Perdi a vontade. Sem medo de enfrentar, arrasar e escancarar. Hoje eu me calo, sinicamente, de tudo que eu vejo e não acho nada correto.

Covardia? Talvez. Cansaço? Com certeza.

Deixei de acreditar que vale a pena. Cansei de lutar por ideais, eram apenas utopias, não sei se ideais são reais. Hoje. Não tenho mais certeza de nada.

Tanta coisa errada diante dos olhos. Tanta coisa podre que eu compactuei, e muitas vezes, participei. De que me adianta confissões? Se fiz para aliviar.

Pra onde foi tudo que um dia eu acreditei? Esta dentro de mim? Ou simplesmente não existe?

Confusao. Muita confusão. Eu atraio, respiro e sobrevivo.

Quero ter paz. Preciso de paz. Necessito me achar.

Não sei se fui roubada ou se me sabotei. Tudo que eu acreditava se foi.

Só ficou em mim: a lembrança do que poderia ser.